Existem várias razões pelas quais consideramos que o JEFTA é um acordo prejudicial, que conduzirá a maiores desequilíbrios sociais e ambientais. No entanto, o JEFTA já foi assinado e aprovado pelo Conselho.

Mas nem tudo está perdido. O JEFTA precisa ainda de ser ratificado pelo Parlamento Europeu, e vários movimentos da sociedade civil vão fazer-se ouvir. É essencial aproveitar esta oportunidade para colocar o debate sobre o comércio em cima da mesa, para repensar a forma como temos gerido a globalização, para colocar um travão no sucessivo esvaziamento da Democracia. O voto no Parlamento Europeu está previsto para Dezembro, mas existe alguma esperança de adiar a votação para depois das eleições europeias, de forma a colocar o JEFTA como uma questão essencial para os eurodeputados responderem.

É neste contexto que foi criado este vídeo que partilhamos e a cuja ampla divulgação apelamos. Chama-se “Unidos por um movimento forte contra o JEFTA”: