O bloco sul-americano entregaria “dentro de algumas semanas” uma plataforma de acordo com a União Europeia para tentar uma movimentação nas negociações entre os dois grupos que se arrastam há mais de duas décadas.

As indicações geográficas dos produtos e o “acesso ao mercado” são os dois principais obstáculos para chegar a um tratado definitivo.

O Mercosul apresentará “em poucas semanas” a sua “plataforma de consenso” à União Europeia com o que espera ver uma “movimentação” nas negociações comerciais birregionais que se arrastam há quase duas décadas e com lentos progresso.

A afirmação foi feita hoje pelo ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, após o encontro entre os chanceleres da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, realizado na segunda-feira em Montevideu.

As “indicações geográficas” dos produtos sul-americanos são um dos principais obstáculos ao acordo entre o Mercosul e a União Europeia, junto com a oferta do bloco europeu -“acesso a mercados” – para produtos do Mercosul, disse Nin Novoa.

Em relação às indicações geográficas, o chanceler uruguaio disse que “há muitos produtos que têm  mais de 150 anos de produção nessas nações”, e deu como exemplo o “queijo parmesão”, que é feito em seu país “desde 1864 “, de acordo com declarações reproduzidas pela agência Télam.

O ministro das Relações Exteriores do Uruguai também afirmou que há “questões delicadas” no processo de negociação, como o acesso ao mercado para sectores como o automotriz[i] e o de laticínios.

Os comentários dos Estados membros do Mercosul sobre essas questões estão incluídos na “plataforma de acordo” que as autoridades prepararam hoje e que apresentarão aos representantes da UE.

“De todos os pedidos que a União Europeia fez, fizemos progressos em quase todos eles, há alguns que são ainda mais difíceis, mais sensíveis, (…) mas o que expressamos e reafirmamos é a vocação e a vontade de continuar negociando “, disse Nin Novoa.

Novoa disse que apresentarão a sua proposta “dentro de algumas semanas” e com ela esperam “uma movimentação” que lhes permita sentirem-se “mais satisfeitos” com as ofertas que o bloco europeu fez.

Os ministros das Relações Exteriores chegaram à sede do Ministério das Relações Exteriores em Montevideu às 9h locais (mesmo horário na Argentina) e reuniram-se por quase quatro horas.

O encontro não contou com a presença do ministro das Relações Exteriores da Bolívia – Estado que se une ao bloco – Diego Pary, que esteve presente em uma reunião de emergência a ser realizada em Lima pela Comunidade Andina (CAN) para tratar do fluxo migratório dos cidadãos Venezuelanos.

O Mercosul e a UE negociam um acordo de associação birregional que tem um capítulo comercial, um capítulo político e um terceiro de cooperação, para os quais se realizaram sucessivas rondas de negociações por quase duas décadas, com um prolongado impasse entre 2004 e 2014.

[i] Referido no texto espanhol


http://bilaterals.org/?el-mercosur-presentara-su
Por MDZ | 15-10-18