No passado dia 29 de Março foi apresentado o documentário Riverblue (sobre o impacto da indústria da Moda na poluição dos rios) nas instalações do Impact Hub em Lisboa, o qual foi sucedido por um debate sobre as questões abordadas no filme.

O evento foi organizado pela Fashion Revolution Portugal e o debate contou com as participações de Andreia Barbosa, pela Circular Economy Portugal; Maria José Carvalho, pelo Departamento de Produção Sustentável do CITEVE; Inês Cosme, pela ZERO; João Vasco Gama e Tânia Santos pela TROCA.

Todos os presentes no debate concordaram em relação à gravidade dos problemas apresentados no documentário: a forma como os actuais padrões de consumo estão a poluir os rios e por consequência os oceanos de modo insustentável e perigoso e de como técnicas alternativas de produção de vestuário podem ser essenciais para atenuar este problema.

No entanto, destacou-se uma insuficiência do filme, que, apesar de ter abordado o impacto dos processos de produção do vestuário, ignorou por completo que o impacto ambiental mais significativo ocorre após a produção e uso, na fase de descarte. Falou-se na economia circular como solução alternativa, mas algumas dificuldades técnicas destes processos foram abordadas. Mencionou-se a importância dos processos de certificação. Também se concluiu que, embora as decisões individuais dos consumidores possam um papel importante, decisões colectivas (do foro político) são absolutamente essenciais para resolver estes problemas.

Depois de referir o papel estruturante e basilar que os acordos de comércio e investimento têm na globalização, a Plataforma TROCA explicou em que medida é que estes acordos podem dificultar a acção colectiva dos cidadãos para resolver os problemas ambientais mencionados, quer devido às limitações que criam na política aduaneira; quer devido aos mecanismos de arbitragem associados que podem implicar pesadas indemnizações quando a legislação ambiental ameaça os lucros expectáveis de investidores externos. Acrescentou-se que, por vezes, até os processos de certificação podem estar sob ameaça, como aconteceu no caso do CETA, o acordo entre a UE e o Canadá. Falou-se ainda nos vários acordos que a Comissão Europeia quer aprovar em breve e também no sinistro projecto de instituição do Tribunal Multilateral de Investimento (conhecido por MIC). Por fim, fez-se um apelo à audiência, encorajando os participantes a juntarem-se à Plataforma.

Dada a qualidade do documentário, a Plataforma TROCA recomenda o seu visionamento.

http://riverbluethemovie.eco/ )